Connect with us

destaque

Prefeito de Camacho é cassado e novas eleições ocorrerão na cidade

Publicado

on

Conforme o Portal Diviweb reportara em primeira mão em outubro de 2020, a administração do prefeito de Camacho, Bruno Lamounier (DEM), fora acusada de praticar crimes eleitorais durante a campanha.

Empenho Público em Obra Privada

Provas coletadas em vídeo mostraram funcionários da Prefeitura trabalhando em horário de expediente numa obra particular. Os servidores estavam a executar serviços de pedreiro numa residência de propriedade de um forte cabo eleitoral do prefeito. Configurando-se, assim, os crimes de abuso de poder econômico e uso ilícito de bens e pessoal.

Os servidores registravam o ponto eletrônico de serviço na garagem da Prefeitura e seguiam para o endereço de construção de residência do cabo eleitoral. Além do uso de mão-de-obra, a acusação também apontava utilização de máquinas, veículos e equipamentos públicos na obra privada do cabo eleitoral.

Na época, em nota oficial, o prefeito que concorria à reeleição disse não saber nada sobre os fatos, e alegou que tratava-se de uma artimanha arquitetada pela chapa rival, de Diego Cardoso (PT).

O Ministério Público acompanhou o caso com rigor desde outubro de 2020 e na quinta-feira (12) a Justiça condenou a chapa de Bruno Lamounier em primeira instância. Os condenados podem recorrer.

Novas Eleições

As consequências jurídicas devem determinar novas eleições para a cidade de Camacho. Porém, a chapa do DEM deverá indicar novos nomes aptos, pois Bruno Lamounier e seu vice-prefeito, João Paulo da Oficina (PP), ficarão inelegíveis até 2028.

Prática Rotineira

Infelizmente, moradores de municípios pequenos estão relativamente habituados em ver tais tipos de prática. Funcionários públicos muitas vezes são empenhados em obras privadas desde que os beneficiários sejam componentes da base de votos.

Além de se tratar de um crime, esse tipo de ação deve começar a ser duramente denunciada pela sociedade. Felizmente, o avanço tecnológico facilita a captação de provas.

O caso de Camacho é um exemplo de como as instituições democráticas funcionam quando acionadas da forma correta.

O brilhante trabalho do Ministério Público é um divisor de águas na história política de Camacho. Quem repetir tais ações repudiáveis da velha política poderá ser condenado também.

Quem detiver a máquina pública nas mãos terá de abdicar de práticas coronelistas.

Publicidade

PUBLICIDADE

Publicidade

COLUNISTA FOTOGRAFICO

COLUNISTA VARIEDADE

Publicidade