Connect with us

destaque

Japão e Austrália anunciam sanções contra Rússia e separatistas

Publicado

on

O Japão e a Austrália anunciaram ontem (23) sanções contra a Rússia e os territórios separatistas pró-russos de Lugansk e Donetsk, que o presidente Vladimir Putin reconheceu na segunda-feira (21) como independentes.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que o governo vai proibir novas emissões e distribuição de títulos de dívida soberana russa no Japão, em resposta às “ações na Ucrânia”.

Kishida afirmou que o país também vai proibir o comércio com Lugansk e Donetsk, suspender a emissão de vistos para pessoas ligadas às duas regiões do leste da Ucrânia e congelar seus bens no Japão.

O premiê adiantou que as sanções vão entrar em vigor “o mais depressa possível”. Segundo ele, o Japão está preparado para adotar medidas adicionais, se a situação piorar, em coordenação com os demais países-membros do G7.

Austrália

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou sanções contra instituições bancárias como o VEB, um dos maiores bancos de investimento e desenvolvimento da Rússia, e o banco militar do país, entre outros.

A Austrália também vai impor sanções contra indústrias de diversos setores, como energia, mineração e hidrocarbonetos, das regiões de Donestsk e Lugansk, que passam ainda a ser atingidas por sanções impostas em 2011 à Crimeia e a Sebastopol, então ocupadas pela Rússia.

Morrison disse que a Austrália vai proibir ainda a entrada e aplicar sanções financeiras a oito membros do conselho de segurança da Rússia, órgão que reúne os principais decisores do país, especialmente os líderes do Exército e dos serviços secretos.

Tanto Morrison quanto Kishida condenaram a decisão russa, que consideram violação da soberania e da integridade territorial ucraniana, bem como do direito internacional.

Kishida garantiu que o Japão fará tudo para proteger os japoneses que ainda estão na Ucrânia, apesar de Tóquio ter, há dez dias, aconselhado seus cidadãos a deixar o país.

Morrison lembrou que ainda há cerca de 1.400 australianos vivendo na Ucrânia e que determinou o processamento urgente dos pedidos de vistos apresentados por ucranianos, incluindo estudantes.

Agência Brasil

Clique aqui e siga-nos no instagram

Clique aqui e siga-nos no facebook

Clique aqui e siga-nos no Twitter

Clique aqui e faça parte de nosso grupo de Telegram

PUBLICIDADE

Publicidade

COLUNISTA FOTOGRAFICO

COLUNISTA VARIEDADE

Publicidade
error: O conteúdo está protegido !!