Connect with us

Brasil

GRANDE NOTÍCIA: Saiu o NOVO preço da gasolina e motoristas comemoram

Publicado

on

Petrobras reduz em 3,92% o preço da gasolina para as distribuidoras do país; consumidores deverão aproveitar redução

Os motoristas do Brasil receberam uma grande notícia nesta semana. Após iniciar o ano de 2023 elevando o preço da gasolina, mais especificamente no final de janeiro, a Petrobras anunciou nesta quarta-feira (22) a segunda redução consecutiva no valor do litro do combustível.

Em resumo, a primeira redução promovida pela companhia foi no início deste mês, quando a gasolina ficou 3,92% mais barata para as distribuidoras do país. Agora, a Petrobras anunciou uma nova redução, também de 3,92%, que fará o preço do combustível cair de R$ 3,31 para R$ 3,18 por litro.

Isso quer dizer que as distribuidoras irão pagar 13 centavos a menos por litro. O recuo pode até parecer bastante tímido, mas, na verdade, deverão representar uma grande economia para as distribuidoras, visto que compram milhares de litros de gasolina da Petrobras.

Embora essa seja a segunda redução promovida pela Petrobras em 2023, sucedendo a alta de 7,46% realizada em 25 de janeiro, o preço da gasolina segue elevado no país. A título de comparação, a companhia estava comercializando a gasolina a R$ 3,08 por litro no final de 2022. Em outras palavras, o preço do combustível está 10 centavos mais caro neste ano, apesar das recentes reduções.

Entenda a redução nos preços dos combustíveis

Segundo a Petrobras, a redução anunciada nesta semana busca o equilíbrio dos preços com os mercados nacional e internacional. Em suma, isso acontecerá “através de uma convergência gradual”.

Aliás, a companhia afirmou que tais mudanças contemplam as “principais alternativas de suprimentos” dos seus clientes. Ao mesmo tempo, as mudanças também concebem a “participação de mercado necessária para a otimização dos ativos”.

“A companhia, na formação de preços de derivados de petróleo e gás natural no mercado interno, busca evitar o repasse da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio, ao passo que preserva um ambiente competitivo salutar nos termos da legislação vigente”, informou a Petrobras em nota oficial.

Vale destacar que o preço da gasolina vendida às distribuidoras estava custando R$ 3,09 no início de 2022. Ao longo do ano passado, o valor do combustível sofreu várias oscilações, principalmente por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia. À época, a Petrobras chegou a comercializar a gasolina a R$ 4,06 por litro.

Contudo, com o passar do tempo e a estabilização dos preços das commodities, mesmo com a guerra ainda em curso, a gasolina encerrou 2022 custando R$ 3,08. Isso quer dizer que o valor não acumulou alta no ano, apesar das fortes variações no período.

Consumidores pagam mais caro

A saber, os preços nos postos de combustíveis são bem mais altos que os das distribuidoras. Isso acontece porque há outras variáveis que impactam os valores dos combustíveis, como impostos, taxas, margem de lucro e custo com a mão de obra. Por isso, a população deve pesquisar os preços mais econômicos para não pagar mais caro do que poderiam.

Em suma, a Petrobras esclarece que a parcela da companhia no preço repassado ao consumidor será, em média, de R$ 2,32 após a redução promovida. Esse percentual se refere ao combustível que tem mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos

De acordo com um levantamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio da gasolina ficou em R$ 5,54, após recuar 0,54% em relação à semana anterior, quando estava custando R$ 5,57 no país.

Esses preços são bem maiores que os comercializados com as distribuidoras do país, justamente por causa das variáveis citadas anteriormente. Por isso, os consumidores devem sempre procurar postos com preços mais acessíveis, já que são obrigados a pagar tão caro para abastecerem seus veículos.

Governo volta a cobrar impostos sobre a gasolina

Nos dois primeiros meses de 2023, o governo federal se reuniu algumas vezes para decidir se a cobrança dos impostos sobre os combustíveis voltaria ou não no país. Por um lado, a equipe econômica defendia a volta dos impostos sobre combustíveis devido ao aumento da arrecadação aos cofres públicos.

Em suma, o déficit fiscal projetado para 2023 é de R$ 231,5 bilhões. De acordo com o ministro Fernando Haddad, esse rombo nas contas públicas poderá cair para R$ 100 bilhões caso o governo aumente a arrecadação federal de impostos, e isso será mais fácil de acontecer com a retomada da cobrança do PIS/Cofins sobre os combustíveis.

No entanto, a ala política teme um desgaste da imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com o encarecimento dos combustíveis. A preocupação é que os brasileiros culpem o presidente pelo aumento dos preços da gasolina no país.

Além disso, também há um temor sobre o aumento da inflação, que eleva o custo de vida da população. Em resumo, os combustíveis impactam fortemente a taxa inflacionária no país. Com a volta dos impostos, a inflação poderá subir mais que o esperado, estourando a meta pelo terceiro ano consecutivo.

Por fim, o governo decidiu retomar a cobrança dos impostos, e isso fez o preço da gasolina disparar no país há duas semanas. Aos motoristas, resta aguardar pelos próximos dias para ver se o reajuste da Petrobras surtirá algum efeito nos valores da gasolina.

PUBLICIDADE

Publicidade

COLUNISTA FOTOGRAFICO

COLUNISTA VARIEDADE

Publicidade

contato@diviweb.com.br / 37 - 3213-0334

error: O conteúdo está protegido !!