Compartilhar
Reprodução/AgênciaBrasil
Segundo o filho do presidenciável, a maior preocupação é com o risco de infecções, “já que a cirurgia realizada na noite de ontem foi bastante invasiva”
O deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse nesta quinta-feira (13/09) que o quadro de saúde de seu pai, o candidato à Presidência da República pelo PSL Jair Bolsonaro, ainda é “muito grave”, embora estável.
Segundo ele, a maior preocupação é com o risco de infecções, já que a cirurgia realizada na noite de ontem foi “bastante invasiva”.
Flávio Bolsonaro concedeu entrevista à rádio 97,1 FM do Rio de Janeiro e falou por quase duas horas. “Está difícil para a gente da família fazer campanha porque a cada momento há um fato novo”, disse. “Por causa de um atentado contra o meu pai, a gente tem de se readaptar. ”
O deputado estadual, que concorre nestas eleições a uma vaga no Senado, relatou que Bolsonaro passou a quarta-feira (12) com queixas de mal-estar, náuseas e soluços, por isso os médicos o submeteram a novos exames e depois decidiram pela realização da cirurgia, na noite de anterior. Evangélico, Flávio Bolsonaro pediu que continuem as orações por seu pai. “Praticamente tiveram de abri-lo de novo. Óbvio que ele não está naquela mesma situação de chegar quase morto ao hospital”.
Ele também aproveitou a entrevista para elogiar a equipe de profissionais responsável pelo tratamento do candidato à Presidência.
Boletim
Na manhã desta quinta-feira (13) – o Hospital Albert Einstein divulgou boletim médico informando que Jair Bolsonaro voltou a ser admitido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde evolui bem após passar por nova cirurgia. O candidato tinha recebido alta da UTI na terça-feira (11), mas precisou passar por cirurgia de urgência. Durante a quarta-feira, o candidato apresentou distensão abdominal progressiva sugerindo o diagnóstico de obstrução intestinal – diagnóstico confirmado por tomografia computadorizada.
Ele foi levado para cirurgia de urgência onde foram desfeitas as aderências do intestino e liberado o ponto de obstrução. Os médicos cuidaram também de um extravasamento de secreção intestinal em uma das suturas realizadas anteriormente para correção de ferimentos intestinais.
De acordo com o boletim, esse tipo de complicação é mais frequente em incidentes como o de Bolsonaro do que em cirurgias programadas. Foi realizada limpeza abdominal, em um procedimento que durou duas horas.

Com informações da Agência Brasil